Mudanças na forma do brasileiro encarar o e-commerce no pós-pandemia.


Mais do que comodidade ou segurança para evitar aglomerações nas lojas físicas, as compras online já se consolidaram como uma tendência após a pandemia. E o levantamento recente, realizado pelo Twitter, mostrou que 78% dos consumidores brasileiros estão optando pelo e-commerce, por conta de aspectos como melhores descontos e promoções.


Além disso, um em cada cinco respondentes (foram 500 no total) afirmou que a variedade de produtos também é o principal chamariz, inclusive os mais comprados foram as peças de vestuário (86%), os aparelhos eletrônicos (85%), eletrodomésticos (69%), itens de farmácia e drogaria (66%), os itens de supermercado (64%), entre outros.


"O Twitter se torna um importante aliado das empresas para o crescimento do e-commerce, por conta desse interesse das pessoas em conseguir opiniões diversas. A pesquisa mostra que 76% dos entrevistados apontam para a facilidade em avaliar melhor a opinião das outras pessoas como um ponto positivo do comércio eletrônico, justamente por essa possibilidade de colher informações vindas de outras fontes", explica Lucas Andrade, analista de pesquisa do Twitter no Brasil.


Entre os itens que os consumidores mais têm confiança em comprar estão os produtos para casa (94%), os aparelhos eletrônicos (91%), os itens de farmácia (90%), eletrodomésticos (88%), vestuários (85%), produtos de supermercados (84%) e móveis (81%). "As compras online antigamente tinham um volume menor devido à insegurança de muitos para esta modalidade. Com o passar do tempo, porém, as pessoas foram vendo que podem utilizar meios virtuais e continuarem seguras", acrescenta Lucas.


Em contrapartida, as pessoas ainda acreditam que o meio físico leva vantagem quando o assunto é a confiança de ter escolhido o produto ou a marca certa em comparação com as compras realizadas de maneira virtual — apenas um em cada quatro entrevistados disseram sentir firmeza neste quesito ao comprar online.


É claro que as restrições impostas pela necessidade de distanciamento social fizeram o comércio online passar de opcional para essencial e, ainda que no futuro tudo volte à normalidade, as pessoas já se acostumaram com a vida online: 67% dos respondentes também declararam que passaram a comprar mais produtos e contratar os serviços de forma online, após a pandemia.


A busca pelos melhores preços se tornou inclusive mais relevante por conta da atual situação de uma considerável parte da população. Segundo a pesquisa, 88% das pessoas que usam o Twitter no país disseram que a pandemia está afetando suas contas e por conta disso, 45% delas esperam que os produtos entrem em promoção para conseguirem realizar suas compras.


A pesquisa organizada pelo Twitter contou com os dados da MindMiners e utilizou a Brandwatch, plataforma de listening que usa os dados da base referente aos Tweets das pessoas.

Fonte: https://www.supervarejo.com.br/materias/quais-setores-de-varejo-sao-mais-procurados-no-e-commerce-do-pais