Confira como foi o terceiro dia da Expo Festas e Parques



Clóvis de Barros Filho encerra workshop Asbrafe discutindo o valor da excelência

Durante a 14ª Expo Festas e Parques, a Asbrafe - Associação Brasileira do Comércio de Artigos para Festas apresentou seu 2º workshop. O tema foi o Mercado de artigos para festas - cenários atuais e desafios futuros. O encontro recebeu palestras de Ricardo Sayon, fundador da Ri Happy, e do diretor do Sicredi (Sistema de Crédito Cooperativo), Fábio Vedelago Burille. O encerramento ficou a cargo do professor e escritor Clóvis de Barros Filho.


O palestrante apresentou o conceito de areté, palavra grega que significa fazer sempre o melhor possível, ou, praticar a excelência. Nesse sentido, ser medíocre é pior do que não se propor a fazer nada. "Por exemplo, o aluno nota zero você percebe na hora que não entregou o que foi proposto. O medíocre passa de ano sorrateiro, você mal vê”.


Para sair da mediocridade, então, o caminho é buscar o areté, praticando aquilo pelo qual se tem amor. “Na vida, devemos buscar excelência pois quando ela se torna um hábito, é como dirigir um carro. Você já não pensa mais, simplesmente faz o melhor”.


Presente no evento, o diretor-executivo da Asbrafe, André Zolla, comentou que “a palestra do professor ressalta valores que todo varejista possui: é uma oportunidade para refletir o quanto cada varejista tem de bom dentro de si. E o quanto podemos oferecer ao coletivo. Isso é uma associação". A entidade é apoiadora oficial do evento.


Profissionais compartilham experiências para ter negócios de sucesso no terceiro dia da Expo Festas e Parques

No terceiro dia da 14ª Expo Festas e Parques, o Festival recebeu profissionais que compartilharam experiências de como ter um negócio bem-sucedido. Juliane Mello, consultora estratégica e CEO da Nix Eventos, iniciou o ciclo de palestras indicando como gerenciar um evento -- como casamentos e festas de debutantes -- de sucesso.


Segundo ela, a primeira dica é acreditar que dará certo. Depois, é necessário organizar e planejar tarefas, ter uma equipe eficiente e engajada, construir um bom relacionamento com os clientes, escolher bons fornecedores e ter responsabilidade na entrega. "Uma comunicação clara e objetiva, com a equipe e o cliente, é fundamental para um evento bem-sucedido", adicionou.


O vice-presidente da Asbrafe (Associação Brasileira do Comércio de Artigos para Festas), João Pedro de Oliveira, compartilhou a vivência no varejo de artigos para festas. Proprietário da Olianchi Ribeirão, maior loja vertical do país, orientou visitantes que desejam começar ou crescer no segmento. "Fazer festa está no DNA do brasileiro. Se está ruim, faz. Se está bom, faz uma festa ainda maior. Por isso, o setor é fantástico e tem espaço para crescimento", afirmou.


O empresário destacou que o principal é montar uma base de clientes. Isso porque cerca de 90% dos consumidores visitam uma loja de artigos para festa apenas duas vezes ao ano, ou seja, é necessário fidelizar um grande volume de pessoas. No início, o ideal é começar a vender produtos que chamem o consumidor e, aos poucos, ampliar o portfólio.


"Primeiro, você coloca itens para montar a lembrancinha, depois, a velinha, o balão, acessórios de confeitaria, e assim por diante. Só quando tiver a base clientes, invista na parte alimentícia e nos temas", exemplificou Oliveira. Ele salientou que um varejista deste tipo leva de dois a quatro anos para começar a ter resultados, por isso é essencial saber por onde começar e não perder dinheiro.


Já para se destacar na concorrência -- hoje, são aproximadamente 7.500 lojas de artigos para festas --, a dica é apostar na qualidade do atendimento e no leque de produtos. "O atacado pode ter a velinha A e B com preço menor do que o seu, mas a sua loja tem que ter as opções C, D, E e F. A loja precisa ter variedade, o cliente tem que sair de lá encantado", assinalou o presidente da Asbrafe.


Meios de pagamento digital

Com a digitalização acelerada dos meios de pagamento, as empresas que ficam de fora acabam perdendo oportunidades de negócios. Um exemplo é que, antes da pandemia, 45% dos brasileiros não tinham uma conta bancária. Agora, aproximadamente 70% dos cidadãos têm acesso a alguma conta em instituição financeira ou fintech, apontou Cleiton Borges Cabral, Channels & Growth Manager no Mercado Pago.


"Wallets como PicPay, Mercado Pago e Nubank, além da conta digital do Caixa Tem para quem recebeu o Auxílio Emergencial, impulsionaram o acesso a crédito, fora o crescimento do PIX em todos os setores. Isso democratizou os serviços financeiros, portanto, precisamos saber como o cliente está atuando para adequar nossos meios de pagamento", afirmou Cabral.


Mesas redondas debatem as tendências do mercado

Atualmente as vitrines das empresas de festas estão muito poluídas, com muita informação que nem sempre estão ligadas. Com esse alerta, Greice Cordeiro, sócia-proprietária da Só Boleiras, conduziu a mesa redonda “A vitrine de sucesso: aspectos importantes de exposição de produto e táticas comerciais”, na primeira rodada realizada na Expo Festas e Parques, no Expo Center Norte, em São Paulo.


Diante de empresários do segmento de festas, Greice destacou a importância de se traçar estratégias para exposição que valorizem os produtos com criatividade e qualidade visual. “Para isso, é preciso treinamento dos funcionários, que muitas vezes desconhecem o produto”, afirmou. “Outro cuidado é conhecer o público a ser atingido, pois existem empresas localizadas em áreas onde não há necessidade daquilo que está oferecendo. Além disso, é preciso estar atento às sazonalidades e datas importantes, como o Dia dos Namorados, Halloween, entre outras.”


Greice explicou que prefere trabalhar com blocos de temas, tendo cuidado com as cores e demais informações que valorizem as peças. “Meu produto é único, pois procuro me diferenciar dos demais”, concluiu.


Essa primeira rodada contou ainda com a mesa redonda “Precificação: Lucro, custo e caixa. Como fazer uma boa gestão para vender mais.”


Na segunda etapa do dia, Alexandre Wilson de Souza, sócio-proprietário da Flexmetal Balões, afirmou, durante a mesa redonda “Parcerias estratégicas entre Decoradores e Fornecedores: Trabalhando juntos para construir um setor mais forte”, que a Pocket Party, ou Festa de Bolso, importada da Europa e dos Estados Unidos, muito usada nos últimos dois anos como forma de contornar as exigências de distanciamento social, vai permanecer. Souza destacou que, no período mais crítico do isolamento, “as pessoas passaram a presentear amigos e familiares com buquês de balões metalizados e, em seguida, começaram as Pocket Parties.”


Outra tendência, provocada pelas festas de bolso, na análise do empresário, é a transferência dos balões dos cantos escondidos para destaque principal nas lojas de festas. “O setor foi surpreendido pelo volume de vendas e mudou sua estratégia. Mas o cliente também está mais exigente e toma decisão de compra pensando na qualidade do produto e no meio ambiente, tanto que os balões feitos com material 100% reciclável ou biodegradável hoje são muito procurados.”


A segunda rodada contou também com a mesa redonda “Como sair do zero e transformar o seu negócio em uma máquina de vendas on-line.”


Com Araras, arcos e enfeites diversos, seminário de balões encerra série de apresentações na Expo Festas e Parques

Dando continuidade às apresentações do SNAB - Seminário Nacional de Artes com Balões, dentro da 14ª Expo Festas e Parques, o palco Diversão recebeu, entre outros, apresentações de Gisele Nascimento, Alisson Vasconcelos e Carol Serelli, cujos temas foram, respectivamente "Arcos orgânicos", "Arara azul" e "Balões para delivery e personalizados". Os painéis foram apresentados no dia 28 de maio e, ao longo da tarde, os palestrantes apresentaram oficinas sobre como criar arranjos sofisticados para festas e presentes.

Na apresentação sobre arcos orgânicos - estrutura composta com diversos balões de variados tamanhos - Nascimento chamou atenção para a importância da boa fixação do arranjo. Um dos truques é aplicar à parede uma combinação de fitas adesivas apelidada de "curativo".


Alisson Vasconcelos mostrou técnicas para transformar balões infláveis em uma verdadeira escultura de arara azul, com detalhes que incluem até mesmo os olhos do pássaro, asas e cauda.


Outras variações de decoração, que podem ser customizadas para presentes, entregas e encomendas também lotaram o auditório da Arena Diversão, na apresentação de Carol Serelli, profissional certificada internacionalmente, que observou aumento da procura por esse tipo de trabalho durante a pandemia.

 

Fonte: Boletim Expo Festas e Parques - dia 3