Cerca de 52% das companhias sentiram o faturamento cair pela metade na pandemia

Margens insuficientes para manter a atividade e passivos que comprometem o capital de giro são alguns dos principais problemas enfrentados pelos empresários.


Fonte: Banco de imagens Canva

Uma pesquisa mostra que 52% das companhias sentiram o faturamento cair pela metade em relação a 2019. Além disso, para 37% das organizações o endividamento aumentou e para 84%, é preciso emprestar dinheiro para reforçar o caixa.


Os dados são de um levantamento realizado pela Corporate Consulting com 230 empresas dos setores da indústria, do comércio, dos serviços e dos transportes no país com faturamento anual entre R$ 60 milhões e R$ 400 milhões, que, juntas, empregam cerca de 100 mil pessoas.


“Com a pandemia, a situação mudou muito em razão da alta de custos, da falta de insumos e da previsibilidade do negócio”, diz o CEO da Corporate Consulting, Luís Alberto de Paiva.


Margens insuficientes para manter a atividade, passivos que comprometem o capital de giro, estoques reduzidos e dificuldade para renegociar prazos de pagamento são alguns dos principais problemas enfrentados hoje pelos empresários, de acordo com a pesquisa.


A Corporate Consulting trabalha diretamente na reestruturação de 28 companhias de vários setores. Todas elas, estão com as finanças mais frágeis do que antes da pandemia, de acordo com o CEO.


“A oferta de crédito está bem mais restrita e o custo do dinheiro, três vezes maior do que há um ano”, afirma. Cenário nada favorável para quem quer manter ou expandir um negócio.


Uma empresa que oferece garantias para uma instituição financeira, de acordo com ele, paga juros de 1,8% a 2% ao mês. Aquela que não tem o que oferecer, paga 14% ao mês.


“A discrepância nas taxas hoje é muito grande. Aí a empresa descapitalizada começa a operar com prejuízo, fica sem dinheiro para pagar funcionários e os tributos”, explica.


De acordo com o especialista, diante deste cenário, as empresas tendem a suspender o pagamento de impostos, reduzir o quadro de funcionários, cortar salários e deixar de pagar bancos e credores.


Prazo para reestruturação


A fragilidade das empresas chegou a tal ponto, que, com a pandemia, a recuperação de uma companhia endividada, que levava oito meses, em média, passou para dois anos, de acordo com Luís Alberto de Paiva.


“Antes, havia um prazo para injetar recursos nas empresas, acertar custos, precificar e dava para planejar quando o produto voltaria a ser rentável.”


Todo este processo agora está comprometido, de acordo com ele, em razão da disparada da inflação, da falta de matérias-primas, do alto preço dos combustíveis e do crédito mais caro.


Segundo ele, representantes de instituições financeiras não escondem mais a preocupação com a inadimplência generalizada de pessoas jurídicas.


“As empresas estão com dificuldade até mesmo para pagar empréstimos realizados com juros de 1% ao mês, como do Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), do BNDES”, conta.


Em abril, 6,11 milhões de empresas estavam inadimplentes no país, quase 200 mil a mais do que no mesmo período do ano passado, de acordo com a Serasa Experian. O número é o mais alto desde abril de 2020 (6,14 milhões).


Para o CEO, “há um sucateamento da indústria nacional. As margens de lucro que, no passado, eram de 15% a 20% em alguns setores, hoje são pífias, de 2% a 3%.”


Os prazos para alongamento de dívida, com carência de um ano, para empresas que não utilizam o recurso da recuperação judicial, são de cinco a seis anos, em média.


Para as empresas que estão em recuperação judicial, os prazos para pagamento de dívidas, com até dois anos de carência, são de até 20 anos, com deságio entre 50% e 70%.

 

Fonte: https://www.contabeis.com.br/noticias/52430/prazo-para-recuperacao-de-empresa-mais-que-dobra-na-pandemia/?utm_source=destaque&utm_medium=menor&utm_campaign=Home