top of page

Pequenas e médias empresas crescem 11,5% no primeiro trimestre de 2024

Faturamento das PMEs tem sido acima do que o esperado; veja as atividades que mais se destacaram.


Fonte: Banco de imagens Wix

O faturamento das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) aumentou nos primeiros meses de 2024, conforme revelado pelo Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs (IODE-PMEs). 


O índice, que avalia a saúde econômica das empresas com faturamento anual de até R$ 50 milhões, aponta um aumento de 11,5% no faturamento do setor de janeiro a março deste ano, em comparação ao mesmo período do ano anterior.


Os dados refletem um conjunto de fatores propícios, entre os quais se destacam a queda na inflação, um mercado em ascensão que estimula o consumo e a normalização das cadeias globais de produção. 


Para o presidente do Sebrae, Décio Lima, o desempenho econômico do governo atual, aliado à inflação controlada e ao crescimento do PIB em 2023, desempenha um papel crucial nesse panorama positivo. 


“Temos uma das menores taxas de desemprego da década. E os pequenos negócios têm muita contribuição nisso porque, neste início de ano, têm gerado pelo menos seis em cada dez postos de trabalho todos os meses”, avaliou.


O índice IODE-PMEs, que monitora o desempenho de 678 atividades econômicas distribuídas em quatro setores principais, destaca o crescimento especialmente robusto do setor industrial, com um aumento de 15,6%. Em seguida, encontram-se os setores de serviços (8%), infraestrutura (5,9%) e comércio (4,6%).


As projeções para o restante do ano também são animadoras, com estimativas apontando para um crescimento de 4,3% das pequenas e médias empresas até o final de 2024. 


Esse resultado, praticamente o dobro do PIB projetado pelo Ministério da Fazenda e reforçado pelo Fundo Monetário Internacional (2,2%), ressalta o papel fundamental das PMEs no atual contexto econômico do país.


Com otimismo e medidas estratégicas, as PMEs brasileiras mostram-se resilientes e aptas a contribuir significativamente para a recuperação e o crescimento econômico do Brasil em 2024.

 

Comentarios


bottom of page