top of page

IPCA atinge quarto mês seguido de alta em janeiro, impacto maior é no setor de alimentação

Segundo IBGE, índice atingiu alta de 0,53% no mês.


Fonte; Banco de imagens Canva

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sofreu uma variação de 0,53% em janeiro, levando-se em conta a inflação oficial no país. É o quarto mês seguido de alta do índice, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, houve uma desaceleração em relação a dezembro, que sofreu com uma alta de 0,62%.


O maior impacto veio no setor de Alimentação e Bebidas com uma alta de 0,59%, o que contribuiu com 0,13 ponto percentual no índice, que acumula alta de 5,77% nos últimos 12 meses. O segundo maior impacto veio no grupo Transportes, com alta de 0,55% e contribuição de 0,11 ponto percentual no indicador.


Veja a variação do IPCA nos principais itens em janeiro
  • Alimentação e bebidas: 0,59%

  • Habitação: 0,33%

  • Artigos de residência: 0,70%

  • Vestuário: -0,27%

  • Transportes: 0,55%

  • Saúde e cuidados pessoais: 0,16%

  • Despesas pessoais: 0,76%

  • Educação: 0,36%

  • Comunicação: 2,09%

Alimentos básicos sofrem aumento No grupo Alimentação e bebidas, os destaques ficaram com aumento nos preços da batata inglesa (14,14%), da cenoura (17,55%), do tomate (3,89%), das frutas (3,69%) e do arroz (3,13%). Já os destaques de queda ficaram com cebola (-22,68%), frango em pedaços (-1,63%) e carnes (-0,47%).


Alta dos combustíveis influenciam no transporte

Os combustíveis tiveram alta de 0,68%, influenciados pelo aumento nos preços da gasolina (0,83%) e do etanol (0,72%). Outros destaques foram emplacamento e licença (1,60%) e automóvel novo (0,83%).


Já o óleo diesel (-1,40%) e o gás veicular (-0,85%) tiveram queda e os preços dos transportes por aplicativo recuaram 17,03%, após alta de 10,67% em dezembro.


Outro destaque ficou com a alta de 0,91% dos ônibus urbanos, consequência dos reajustes de 6,17% no Rio de Janeiro (4,20%) e de 7,04% em Vitória (4,61%). Também houve reajustes de táxi (3,03%) no Rio de Janeiro (7,74%), onde as tarifas subiram 8,88%, e em Salvador (15,67%), com aumento de 16,74%.


O IBGE destaca ainda os reajustes em praças de pedágio (4,29%) de São Paulo (5,08%), Vitória (4,12%) e Curitiba (2,14%).


Telefonia, internet e TV

Comunicação sofreu a maior variação dentro do IPCA, puxada pela alta dos subitens de TV por assinatura (11,78%) e combo de telefonia, internet e TV por assinatura (3,24%), que contribuíram conjuntamente com 0,09 ponto percentual no IPCA de janeiro.


Também houve alta nos preços dos aparelhos telefônicos (0,44%) e nos serviços de acesso à internet (2,09%).


“O resultado do grupo Comunicação é explicado principalmente por reajuste nos combos de telefonia, internet e TV por assinatura. Isso acaba impactando também os planos avulsos de TV por assinatura e internet, que também foram reajustados”, diz o gerente da pesquisa.


Saúde e Vestuário

Houve uma desaceleração no grupo de Saúde e cuidados pessoais (de 1,60% em dezembro para 0,16% em janeiro) após recuo de 1,26% nos itens de higiene pessoal, com destaque para os preços dos perfumes e dos artigos de maquiagem, que caíram 5,86% e 1,51%, respectivamente.


A maior contribuição no grupo veio do plano de saúde (1,21%), que segue incorporando a fração mensal dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023, segundo o IBGE.


Habitação

No grupo Habitação, houve um aumento de 0,2% em dezembro para 0,33% em janeiro. Isso por conta da taxa de água e esgoto (1,44%) que sofreu reajustes em Belo Horizonte, Brasília e Campo Grande.


Houve ainda o aumento do gás encanado (4,10%), consequência das altas no Rio de Janeiro e São Paulo. Já os preços do gás de botijão caíram 1,19%. A variação da energia elétrica (0,19%) ficou próxima à do mês anterior (0,20%).


INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,46% em janeiro, um pouco abaixo do registrado no mês anterior (0,69%). O INPC acumula alta de 5,71% nos últimos 12 meses, abaixo dos 5,93% observados nos 12 meses anteriores. Em janeiro de 2022, a taxa foi de 0,67%.


Confira o ranking do IPCA nas capitais

Das 16 capitais pesquisadas pelo IBGE, 14 tiveram alta do IPCA em janeiro. O maior índice foi em Salvador (1,09%), onde pesaram as altas na energia elétrica (8,07%) e na gasolina (6,34%). A menor variação foi em Curitiba (-0,05%), devido à queda de 3,92% nos preços da gasolina.

  • Salvador: 1,09%

  • Vitória: 0,92%

  • Fortaleza: 0,86%

  • Belo Horizonte: 0,82%

  • São Paulo: 0,68%

  • Rio Branco: 0,67%

  • Aracaju: 0,63%

  • Campo Grande: 0,60%

  • Rio de Janeiro: 0,43%

  • Belém: 0,41%

  • Brasília: 0,33%

  • Goiânia: 0,24%

  • Porto Alegre: 0,23%

  • Recife: 0,03%

  • São Luís: -0,01%

  • Curitiba: -0,05%

Inflação em 2023

Segundo economistas, a inflação deve ficar acima da meta em 2023. A expectativa do Banco Central (BC) e de instituições do mercado financeiro nacional, segundo a última edição do Boletim Focus, aponta para o IPCA em 5,78% neste ano.


A inflação acumulada em 12 meses até janeiro continua acima da meta estabelecida pelo Banco Central em 3,25% neste ano, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, ou seja, entre 1,75% e 4,75%.


A inflação acumulada em 2022 foi de 5,79%. Foi o 4º ano consecutivo em que os preços ficaram acima do teto da meta. Para frear o avanço dos preços, o BC promoveu um ciclo de altas na taxa básica de juros, a Selic, que saiu de 2% ao ano em março de 2021 para 13,75% ao ano em agosto de 2022, o maior percentual dos últimos seis anos.


Na semana passada, o Copom escolheu manter, pela quinta vez consecutiva, a Selic no mesmo patamar porque ainda enxerga a força da pressão inflacionária.Quanto maior é a inflação, menor é o poder de compra das pessoas, principalmente das que recebem salários menores. Isso porque os preços dos produtos aumentam sem que o salário acompanhe esse crescimento.

 
bottom of page