Evolução tecnológica define novas formas de consumo

Especialista da Take explica as diferenças entre os conceitos de drive-tru, delivery e grab and go


Banco de imagens Canva

A cada evolução, surgem modelos de negócio a fim de suprir as novas demandas do mercado. Quando se trata do setor de alimentos e bebidas, esse movimento não é diferente. Ouviu-se muito falar sobre drive-thru e delivery, mas agora o formato de grab and go está mais em evidência. Para se manter atualizado, confira abaixo as principais diferenças entre esses conceitos:


Drive-thru

Em meio a uma rotina corrida, os consumidores tendem a ir em busca de flexibilidade e por este motivo serviços como o drive-thru fazem sucesso. Esse sistema, que em tradução livre significa “através do carro”, permite ao cliente realizar uma compra sem sair do automóvel. Nessa modalidade, os pedidos são feitos por meio de um totem ou de um atendente, que estará à disposição em uma janela. Depois, são retirados em uma próxima janela.


“Todo esse processo resulta em um atendimento mais rápido, no qual há uma equipe treinada especificamente para esse tipo de demanda e onde o cliente pode pagar pelo produto a apenas um braço de distância. Como a produção é feita sob pedidos pontuais, o desperdício de matéria-prima acaba sendo bem menor”, diz Gustavo Almeida, CEO da Take, startup que atua no mercado de conveniência autônomo por meio de smart vending coolers.

Delivery

Diferentemente do drive-thru, o consumidor nem precisa se deslocar, porque o pedido vai até a sua casa. O significado da palavra em português é “entrega” e remete tanto a alimentos quanto produtos. Apesar de poder ser aplicado a qualquer setor, o conceito se destacou no ramo da alimentação, fortalecendo-se ainda mais durante o período de isolamento social.

“Mesmo que o sistema tenha se sobressaído na pandemia, a tendência é que permaneça em aquecimento, pois tem elementos que proporcionam muita conveniência ao cliente”, revela o CEO. Além do formato otimizar o tempo do usuário que não precisa se deslocar, também torna o processo mais intuitivo. “Antes dependíamos de folhetos que rapidamente ficavam desatualizados e até chegávamos a ter ruído na comunicação com o atendente no momento do pedido, mas hoje, com os aplicativos, podemos escolher em um único lugar, com dados atualizados, e ainda acompanhar o status da escolha em tempo real’’, explica Almeida.


Outro ponto positivo que o executivo indica nesse serviço é a otimização do pagamento. “Os aplicativos permitem que o usuário deixe as informações de entrega e do cartão salvas, o que o faz se preocupar apenas com o pedido”, pontua. Já do ponto de vista corporativo, a iniciativa contribui para aumentar a visibilidade de empresas que se veiculam a essas plataformas de delivery.


Grab and Go

Grab and Go significa, em português, ‘pegue e leve’. O modelo tem como premissa o estilo de vida express, em que oferece ao consumidor estruturas refrigeradas em uma espécie de “estação”, nas quais é possível pegar alimentos e bebidas prontas e embaladas para serem consumidas em qualquer lugar. “Essa iniciativa é extremamente prática tanto para quem consome como para aqueles que fornecem esse tipo de serviço. A partir dela, clientes pulam etapas, como fazer o pedido com antecedência, aguardar o preparo e até mesmo aguardar em filas para realizar o pagamento, pois existem tecnologias como a Inteligência Artificial (IA) que debita o valor da compra de maneira automatizada via aplicativos”, ressalta o CEO.


Esta tendência, que ganhou força no início da pandemia, hoje está presente em condomínios, hotéis, academias, supermercados, bares, lanchonetes e até mesmo em restaurantes. “A estrutura do grab and go não concorre com a dinâmica de um restaurante ou bar tradicional. Na verdade, é um serviço complementar porque auxilia consumidores que estão sem tempo ou que simplesmente não querem consumir no estabelecimento. Por exemplo: nada impede que um cliente almoce em um restaurante e, ao mesmo tempo, se interesse em levar um lanche para o café da tarde, aumentando assim o ticket médio do local”, finaliza Almeida.

 

Fonte: https://www.supervarejo.com.br/varejo/evolucao-tecnologica-define-novas-formas-de-consumo/